Blog

Peeling, um dos tratamentos mais procurados durante o inverno

Momento ideal para cuidar da pele e realizar procedimentos estéticos

A estação mais fria do ano, além de todo seu charme e requinte, é ainda o momento ideal para cuidar da pele e realizar procedimentos estéticos, como o laser CO2 fracionado, peeling faciais e microagulhamento. Isso porque a incidência de raios solares é menor, assim como as idas à praia e piscina, já que a água salgada e o cloro também são proibidos, em alguns casos.

Então você se pergunta: o sol é um vilão? Em partes sim, por isso os médicos recomendam o uso do protetor solar diariamente. A fisioterapeuta dermatofuncional Fernanda Pimenta, da Clínica EmagreSee, explica a razão disso.

“Quanto mais radiação a pele for exposta, mais as células vão produzir melanina, e esse excesso do pigmento pode resultar em manchas e pontos mais escuros no rosto. Devemos nos proteger do sol, principalmente nos horários de maior radiação UVB, que é entre às 10h até 16h”.

Dentre os tratamentos superprocurados, o que mais apresenta resultado durante o inverno são os peelings químicos, mecânicos e com laser, justamente para tirar as manchas provocadas pela luz do sol, assim como cicatrizes de acne, melasma e outros problemas que prejudicam a pele. Eles podem ser superficiais, médios ou profundos. E em ambos os casos, o processo consiste na descamação da pele, para renovar as células e, assim, constituir um novo tecido.

De acordo com Fernanda, a diferença entre os tipos de peeling está no material usado para a aplicação. “No químico, utilizamos uma fina camada de ácido que destrói e esfolia as camadas superficiais da pele. Já no físico, os produtos usados são cosméticos que contêm substâncias abrasivas para remover células mortas e aumentar a permeação cutânea. Por último, no mecânico, nós contamos com a ajuda de uma máquina que tem uma ponta de cristal, e por isso recebeu o nome de peeling de cristal ou diamante”.

Já a dermatologista Lívia Borges, da Clínica Santé Vitória, ressalta que “o que irá determinar qual peeling funcionará melhor, é o estado em que a pele se encontra. No caso de marcas e rugas mais acentuadas, por exemplo, é mais indicado o peeling médio a profundo, que atinge a camada derme da pele, diferente do peeling superficial, que irá atingir somente a epiderme, que é a camada mais rasa. Esse último é indicado para tratar manchas mais superficiais e melhorar a textura da pele”.

Uma dúvida comum paira sob o Botox, que é uma aplicação para reduzir rugas dinâmicas, como as da testa e os pés-de-galinha. De acordo com ela, esse pode, sim, ser realizado em qualquer época do ano. O que não é o caso do laser CO2 fracionado, técnica recorrida somente nos dias de inverno. O tratamento promete eliminar machas, rugas e linhas finas, suavizar rugas profundas e melhorar a flacidez da pálpebra e pescoço. Tudo isso através de ondas de laser composto por CO2, capazes de atingir as camadas mais profundas da pele.

“O laser CO2 aumenta a produção de colágeno e deixa a pele novamente com aspecto jovial. As suas sessões podem variar de 10 a 60 minutos, em um período de 30 dias até 2 meses”, comenta a dermatologista Lívia Borges. No entanto, ela explicou que se trata de um procedimento invasivo, que pode causar dor, ardência e vermelhidão nos primeiros dias de tratamento. Além disso, esse mesmo laser também auxilia em cirurgias estéticas, como a ninfoplastia e blefaroplastia.

“Respectivamente, a primeira trata-se de uma cirurgia íntima, que muda o aspecto da vulva, e a segunda é uma cirurgia de correção de bolsas embaixo dos olhos e nas pálpebras”, explica Lívia. Seguindo a proposta de regeneração da pele durante o inverno, o microagulhamento também é indicado. E funciona da seguinte forma: um conjunto de agulhas, por meio de um rolo, é aplicado à pele, provocando pequenas rupturas. A ação estimula a produção e formação de colágeno, proteína que estrutura e dá firmeza e elasticidade ao tecido.

“Nesse processo o que ocorre é que a agulha, ao entrar em contato com a pele, dá início a um modo inflamatório induzido, que incentiva as células a produzirem o colágeno. O procedimento também permite que a absorção de pomadas e cremes se torne mais fácil, como o caso de medicamentos como vitamina C, por exemplo”, explica a fisioterapeuta dermatofuncional Fernanda Pimenta. As sessões podem durar cerca de trinta minutos, com repetições dentro do intervalo de um mês, para que a pele tenha tempo de se recuperar.

“É importante destacar que o equipamento utilizado para realizar o microagulhamento deve possuir registro na ANVISA. Isso é uma forma de evitar complicações e contaminações”, orienta. O mesmo vale para todos os procedimentos citados acima. As duas profissionais entrevistadas recomendam que o paciente procure clínicas com registro e um quadro de funcionários especializados para o atendimento. E que antes de iniciar o tratamento, seja feita uma avaliação, pois como vimos, cada indivíduo tem uma necessidade.

 


Fonte: EmagreSee


Alguma dúvida?
Preencha abaixo todos os campos
que responderemos o mais breve possível.
Abrir Mapa